quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

3 erros estúpidos que mudaram o rumo da História

Um bom professor de História consegue fazer com que salas repletas de crianças ou adolescentes fiquem em silêncio, afinal é ou não é fascinante aprender sobre questões que, de uma maneira ou de outra, acabaram moldando o mundo que conhecemos hoje?
Elementos como política, religião e cultura estão diretamente relacionados com muitos dos conteúdos que aprendemos em sala de aula – o que você talvez não saiba é que muitos eventos históricos foram moldados por pequenos erros humanos. O Cracked fez uma lista de fatos curiosos a respeito desse assunto. Confira:

1 – Sabia que o Titanic afundou porque alguém esqueceu a chave de um armário?

A história que todo mundo conhece, inclusive graças ao filme, relata o naufrágio como consequência de uma colisão contra um iceberg. Há, no entanto, outra teoria bem interessante que explica por que o navio mais famoso de todos não viu o iceberg a tempo de desviar.
Alguns pesquisadores defendem a teoria de que uma pessoa estava encarregada de procurar por possíveis icebergs, mas acabou ficando sem acesso ao binóculo do navio. O funcionário em questão se chamava Fred Fleet, que foi um dos poucos trabalhadores do navio que sobreviveram.
Foi Fleet quem viu o iceberg pela primeira vez e, quando contou detalhes do acidente, disse que se tivesse acesso a um binóculo, possivelmente veria o iceberg antes, talvez tempo o suficiente para evitar a tragédia.
Você deve estar perguntando por que é que Fleet não recebeu um binóculo, e a resposta para isso é simples: o equipamento estava trancado em um armário e ninguém tinha a chave. Antes de o navio partir, a empresa que promoveu o cruzeiro fez algumas mudanças e acabou substituindo um dos comandantes do navio. A ideia foi colocar uma pessoa mais experiente à frente do cruzeiro, para evitar acidentes com icebergs.
No final das contas, o comandante demitido de última hora não percebeu que estava com as chaves do armário em seu bolso, e o Titanic partiu em direção a seu destino trágico. A chave ficou na família do comandante substituído e só se tornou conhecida em um leilão em 2012. O armário não foi arrombado, o binóculo não foi usado e o iceberg não foi visto quando ainda dava tempo de desviar. E aí, essa teoria faz sentido para você?
Para muitos, essa versão é considerada sensata e verdadeira. Tanto é assim que, em 2012, quando o acidente completou 100 anos, algum “engraçadinho” deixou um binóculo sobre o túmulo de Fleet.

2 – O motivo por trás da queda do Muro de Berlim

A queda do Muro de Berlim, em 1989, foi um marco democrático não só para o país alemão, mas para o mundo todo. Você lembra o exato momento em que a queda do muro foi decretada? Independente de qual seja seu palpite, é provável que você não aposte que o muro foi derrubado por causa de um erro de discurso, certo?
Antes da queda, a Alemanha Oriental decidiu pegar leve com relação às restrições de viagem entre um lado do país e outro. O responsável por divulgar as boas novas foi o político Gunter Schabowski que, no dia 9 de novembro de 1989, data de queda do muro, segurava um documento que acreditava ser mais um discurso político pronto e, portanto, acabou não lendo o conteúdo.
No final das contas, o discurso era tão entediante que funcionou quase como um sonífero coletivo. Alguns jornalistas chegaram a entender a mensagem de maneira errada e acreditaram que Schabowski estava anunciando o fim permanente das restrições de viagem.
Quando foi questionado a respeito da data de início da medida, Schabowski, que não tinha lido o próprio discurso, não quis mostrar que não sabia qual era a data e respondeu: “imediatamente, imediatamente”. Foi o que bastou para que jornalistas do mundo todo divulgassem a notícia de que a Alemanha Oriental havia acabado de decretar o cancelamento do Muro de Berlim, afinal, se não havia mais restrições, para que manter o muro?
A muvuca foi tanta que as autoridades não conseguiram reverter a situação e ficaram com medo de desmentir a história e deixar uma multidão furiosa. O muro foi derrubado, a Alemanha voltou a ser uma só e Schabowski deve ter aprendido a ler seus discursos com antecedência.

3 – Pelo visto, os nazistas perderam a Normandia porque um de seus oficiais tirou uma semana de folga

Você já ouviu falar do soldado alemão Eewin Rommel? O cara era considerado um dos melhores estrategistas de guerra de todos os tempos e, por isso, foi encarregado de defender a Europa da invasão aliada, que ficou conhecida depois como a Batalha de Normandia e também como Dia D.
De fato, a invasão aconteceu, mas Rommel não estava lá. O motivo? No dia anterior, ele decidiu tirar folga e foi para casa, visitar sua esposa, pois era aniversário dela. Confiante, Rommel acreditou que seu exército não seria atacado tão cedo, sem nem fazer ideia de que muitos navios seguiam viagem em direção à França.
Soldados alemães que sobreviveram ao ataque relatavam que se Rommel estivesse presente durante a invasão, a batalha teria sido completamente diferente. Há rumores de que os soldados tentaram ligar para Hitler, que não atendeu ao chamado porque estava dormindo e ninguém tinha autorização para acordar o líder nazista.
FONTE(S) WWW.MEGACURIOSO.COM

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Novos livros na biblioteca!

A escola adquiriu novos livros para a biblioteca. 

Grandes nomes nacionais e internacionais fazem parte do acervo e prometem movimentar ainda mais este espaço, visto que os alunos, ao observar os títulos, já estão entusiasmados para leitura no próximo ano.

A leitura é uma fonte inesgotável de prazer mas por incrível que pareça, a quase totalidade, não sente esta sede.

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Resultado Votação Gremio Estudantil 2015





Parabéns a Chapa PPE - Partido do Progresso Estudantil, que faça um bom trabalho em 2015.

Parabéns também para a chapa PAF, Partido dos Alunos do Futuro pela participação e dedicação.

OBRIGADO A TODOS OS PROFESSORES ENVOLVIDOS.

Mais detalhes serão adicionados em breve.

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Ampliando nossos repertórios sobre experiências de aprendizagem em rede



UFSC - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EDUCAÇÃO NA CULTURA DIGITAL
DISCIPLINA: PLAC 2 (Plano de Ação Coletiva)
CURSISTAS: ANDRÉ MÁRIO GIRARDI, GRACIELA JUCIANE MINATTI, MARCIANA HASSE, NILO PERINI, SIRCE ELAINE PEREIRA
ESCOLA:EEB PROF GIOVANI TRENTINI



segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Grêmio Estudantil 2015 - Inscrição e informações

"Alguém precisa começar... Se alguém já começou,

alguém precisa continuar... E esse alguém é você!"
Participe da eleição do Grêmio Estudantil para 2015.

Acesse os links abaixo, monte sua chapa e ajude a construir uma escola ainda melhor!

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Happy Halloween 2014 - English Project

Halloween é uma festa comemorativa celebrada todo dia 31 de outubro. Ela é mais representativa nos Estados Unidos.
O projeto foi desenvolvido com todo o Ensino Médio e tem como finalidade mostrar um pouco da cultura de outros países, especificamente a cultura americana. O projeto visa ainda mostrar a origem da comemoração, os símbolos e seus significados e o famoso "Trick or Treat" (Gostosuras ou travessuras). Algumas comidas típicas e lendas. Também será avaliado decoração e fantasias a serem usadas por todos na sala de aula.

Teacher: Daniela Klitzke










terça-feira, 11 de novembro de 2014

QUESTIONARIO - QUEM É VOCÊ?

terça-feira, 4 de novembro de 2014

O texto na era digital

Eu sou contra a linguagem “internetês”, 
pois as pessoas deveriam ser influenciadas a escrever corretamente. A internet não é um ponto 
negativo na humanidade, mas não saber usá-la é 
um problema.
Os jovens de hoje não se interessam 
em olhar e ver o que acontece no mundo afora. A 
internet não influencia a leitura, é impossível ler 
um livro pelo tablet ou celular, porque 
automaticamente seria chato demais.
A fala e a escrita corretas são formas 
de aprendermos algo a mais, e a leitura de livros 
impressos, ou jornais, é bom para o conhecimento de novas palavras.
Os meios tecnológicos são muito bons 
para nós hoje em dia; mas, na minha opinião, a 
escrita e a fala são muito mais importantes, por 
isso eu sou contra a linguagem “internetês”!


Aluna: Dgeovana Eduarda Kruger - 2º 3
Professora Marciana Hasse - Português